January 15, 2020

Please reload

Posts Recentes

Cistos renais em pequenos animais, o que fazer?

March 4, 2020

1/10
Please reload

Posts Em Destaque

Importância da alimentação nos doentes renais

February 12, 2020

 

Um dos grandes desafios que encontramos no tratamento dos pacientes nefropatas crônicos é a alimentação. E existem dois pontos extremamente importantes sobre este assunto que devem ser abordados: o que comer e como fazer o paciente comer.

           

A perda de apetite é uma complicação comum nos pacientes nefropatas, principalmente quando o quadro está mais avançado (geralmente nos estágios III e IV). Pode ocorrer: anorexia (perda total do apetite), hiporexia (diminuição do apetite) ou apetite seletivo, no qual o paciente só demonstra interesse por alimentos mais palatáveis, mas muitas vezes inapropriados (doces, pães, entre outros).

 

A alteração no apetite é multifatorial, podendo estar relacionada tanto com náuseas e vômitos decorrentes do acúmulo de toxinas urêmicas, como das gastropatias urêmicas. Nestes casos, o uso de medicamentos gastroprotetores e estimulantes do apetite são necessários, na tentativa de regularizar a ingestão de alimentos. Em felinos, ainda à controvérsia sobre a utilização de gastroprotetores, pois nem sempre a gastropatia é erosiva (úlceras). Mas o uso de medicações anti-nauseantes e estimulantes de apetite costumam ajudar bastante. Quando estas medidas não são eficazes, é indicado o uso de sondas nasogástricas, esofágicas ou gástricas.

           

Devido às características e complicações da doença renal crônica (DRC), a dieta precisa ter alguns cuidados especiais. Apesar de questionável em alguns casos, (principalmente em felinos) ainda se preconiza a restrição de proteínas. A sobrecarga de aminoácidos, proveniente das proteínas, induz alterações hemodinâmicas nos rins, como a hiperfiltração glomerular, que podem comprometer a sua função e agravar as lesões pré-existentes. Além disso, a restrição de proteínas também ajuda a controlar a acidemia e o acúmulo de compostos nitrogenados no sangue, reduzindo os riscos de crises urêmicas. Diversos estudos mostram a redução da progressão da DRC quando os pacientes são submetidos a dietas restritas em fósforo, uma vez que ajuda a controlar o distúrbio ósseo-mineral renal. A suplementação de ômega 3, anti-oxidantes e minerais e vitaminas hidrossolúveis também são de grande importância na dieta dos nefropatas, pois ajudam a corrigir o estado pró-inflamatório, estresse oxidativo e perdas renais decorrente da poliúria.

           

A alimentação é um dos pilares mais importantes do tratamento dos nefropatas e deve ser prescrita e acompanhada de forma adequada e rigorosa, mas tão importante quanto isso, é fazer o paciente comer. Não deixe de seguir as recomendações alimentares de um nefrologista experiente, pois pode fazer grande diferença na sobrevida do seu pet.

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Siga
Procurar por tags
Please reload

Arquivo
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
© 2020 Doutor Brum - Todos direitos reservados
Desenvolvido por